Dignidade menstrual feminina é debatida pelos vereadores de Osasco

por adm publicado 01/06/2021 16h05, última modificação 01/06/2021 16h19
Falta de acesso reforça necessidade de absorventes higiênicos para mulheres em vulnerabilidade social
Dignidade menstrual feminina é debatida pelos vereadores de Osasco

Divulgação.

Por Ana Luísa Rodrigues (*)

No último dia 28, Dia Internacional da Dignidade Menstrual, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançaram um relatório traçando a realidade menstrual vivida por meninas brasileiras.

Durante a 12ª Sessão Ordinária da Câmara de Osasco, realizada nesta terça-feira (01), aproveitando o debate em torno do tema da dignidade menstrual, a vereadora Ana Paula Rossi (PL) apresentou uma Moção de Apoio à data, provocando reflexões importantes entre os parlamentares.

Em janeiro deste ano, Ana Paula Rossi fez uma indicação ao Executivo com o propósito de assegurar o acesso a absorventes higiênicos a mulheres em situação de vulnerabilidade econômica e social e às estudantes dos anos finais do ensino fundamental.

“Além da indicação, também fiz uma minuta de projeto de lei, encaminhada ao prefeito no início de maio, para que seja fornecido absorvente higiênico nas escolas públicas e nas UBSs”, explicou.

Segundo a parlamentar, discutir sobre menstruação ainda é um tabu social, apesar de ser um assunto normal para todas as mulheres. “Infelizmente, parece tão óbvio, mas não é tão óbvio porque não é assegurado a todas as mulheres ter acesso ao absorvente higiênico. Fui secretária de educação e muitas meninas das séries finais do Fundamental I, que menstruam, não tinham condições de comprar absorvente”, esclareceu Ana Paula Rossi.

De acordo com o relatório da UNICEF, milhares de meninas brasileiras sofrem com a falta de saneamento básico, 900 mil não têm acesso à água canalizada em seus domicílios e 6,5 milhões vivem em casas sem ligação à rede de esgoto. Essa situação faz com que cerca de 200 mil alunas no Brasil sejam privadas de condições para cuidar da própria menstruação na escola.

A vereadora Elsa Oliveira (PODE) alertou sobre a necessidade de facilitar o acesso ao absorvente. “É importante ter mulheres na Casa para que possamos discutir esses temas que, às vezes são tabus, mas tão corriqueiros”, ressaltou.

Elsa afirmou já ter feito postagens em suas redes sociais sobre a importância da distribuição de absorventes nas Unidades Básicas de Saúde e outros espaços públicos de atendimento à saúde. “Precisamos lutar por mulheres que não têm condições de comprar o absorvente, porque não é item de cesta básica”, completou a parlamentar.

O presidente da Câmara de Osasco, vereador Ribamar Silva (PSD), declarou que a bancada feminina osasquense tem total apoio dos demais vereadores da Casa na discussão de temas dessa relevância.

“Todas as mulheres passam por isso, mas nós, homens, não temos a sensibilidade que as mulheres têm para tratar esses temas que vêm ao encontro das necessidades das pessoas. Vamos reforçar essa ação para que nossa cidade encampe o projeto com excelência”, declarou o presidente.

(*) Com edição de Deniele Simões

Multimídia - 12ª Sessão Ordinária (01/06/2021)
Galeria de Fotos
Vídeo na Íntegra